El Duodécimo Camello en el Poder Judicial: una análisis de la Teoría de los Sistemas Sociales Autopoyético

  • Pedro Ernesto Neubarth Jung Universidade Feevale
  • Leonel Severo Rocha Universidade Federal de Santa Maria. Professor Titular da Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Palabras clave: sistemas autopoyéticos, tribunales, comunicación, subsistema del derecho, Niklas Luhmann

Resumen

El estudio abordará cómo los Órganos Judiciales Colegiados han ido comportándose ante la presencia de un elemento externo "Duodécimo Camello" en el subsistema jurídico. Así, se examina cómo el subsistema del derecho lidia con la introducción de un elemento externo a su operatividad, a través de la observación sistémica de Luhmann. Por lo tanto, para alcanzar el objetivo específico, se emplean métodos cualitativos de investigación, que en este exámen, añadiendo elementos prácticos, como el análisis de un caso que se estudiará en particular, se verán respaldado por referencias bibliográficas, con el propósito de buscar soluciones al problema.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Pedro Ernesto Neubarth Jung, Universidade Feevale
Possui graduação em Direito pela Universidade Feevale (2015). Atualmente esta cursando Mestrado em Direito no PPGD da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, atua como pesquisador, mestrando, nesta mesma instituição, nos projetos de pesquisa "Teoria do Direito e Diferenciação Social na América Latina", "Autoorganização do Sistema Jurídico: Comunicações e Autorreferência entre Brasil e Chile" e "Teoria do Direito e Evolução Social - UNISINOS". Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direito Público. Advogado
Leonel Severo Rocha, Universidade Federal de Santa Maria. Professor Titular da Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Possui graduação em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal de Santa Maria (1979), Mestrado em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (1982), Doutorado pela Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales de Paris (1989) e Pós-doutorado em Sociologia do Direito pela Universita degli Studi di Lecce. Atualmente é Professor Titular da Universidade do Vale do Rio dos Sinos e Coordenador Executivo do Programa de Pós-Graduação em Direito (Mestrado e Doutorado, Capes 6), bem como é Professor do curso de Mestrado da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai (URI), estabelecendo Convênio PROCAD. Membro pesquisador 1 do CNPq. Representante Titular da Área do Direito no CNPq.Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Teoria Geral do Direito, trabalhando principalmente os seguintes temas: Teoria dos Sistemas Sociais e Teoria do Direito

Citas

Bahia, A. G, Simioni, R. L. (2010). Decisões judiciais devem fazer diferença. Consultor Jurídico. Recuperado em http://www.conjur.com.br/2010-mai-12/decisoes-juridicas-levar-serio-valores-principios-constitucionais?pagina=3

King, M. (2009). A verdade sobre a autopoiese no Direito. Em L. S. Rocha, M. King, J. Clam. A verdade sobre a autopoiese no Direito. (pp. 41-98) Porto Alegre: Livraria do Advogado.

Luhmann, N. (1990). A posição dos tribunais no sistema jurídico. Revista da AJURIS. (49), 149-168. Recuperado em http://livepublish.iob.com.br/ntzajuris/lpext.dll/Infobase/5b5af/5bb67/5bb68?f=templates&fn=document-frame.htm&2.0

Luhmann, N. (2004). A Restituição do Décimo Segundo Camelo: do sentido de uma análise sociológica do direito. Em A. J. Arnaud, D. L. Junior. Niklas Luhmann: Do Sistema Social à Sociologia Jurídica. (pp. 33-107). Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Luhmann, N. (2005). El Derecho de la Sociedad. México: Ed. Herder.

Magalhães, J. N. (2013). O uso criativo dos paradoxos do direito: a aplicação dos princípios gerais do direito pela corte de justiça europeia. Em L. S. Rocha. Paradoxos da auto-observação: percursos da teoria jurídica contemporânea. Ijuí: Ed. Unijuí.

Mansilla, D. R. (2005). Invitación a la Sociologia de Niklas Luhmann. Em N. Luhmann. El Derecho de la Sociedad. (23-55). México: Herder.

Rocha, L. S. e Carvalho, D. W. (2002). Auto-referência, Circularidade e Paradoxos na Teoria do Direito. Em L. S. Rocha, L. L. Streck. Constituição, Sistemas Sociais e Hermenêutica: Anuário do Programa de Pós-Graduação em Direito da Unisinos. (pp. 117-138) Porto Alegre: Livraria do Advogado.

Rocha, L. S. (2005). Da epistemologia jurídica normativista ao construtivismo sistêmico. Em L. S. Rocha, G. Schwartz, J. Clam. Introdução à teoria do sistema autopoiético do Direito. (pp. 11-40) Porto Alegre: Livraria do Advogado.

Rocha, L. S. (2009). Observação sobre a observação Luhmaniana. Em L. S. Rocha, M. King, J. Clam. A verdade sobre a autopoiese no Direito. (pp. 11-44) Porto Alegre: Livraria do Advogado.

Tomaz, C. A. S. (2005). O Décimo Segundo Camelo de Luhmann e o §3º, do Art. 5º, da Constituição Brasileira, acrescido pela Emenda Constitucional nº 45: inconstitucionalidade a partir de uma visão extradogmática do direito tendo como paradigma a alopoiese jurídica. Revista Brasileira de Direito Constitucional. (6), 178-200. Recuperado em http://www.esdc.com.br/seer/index.php/rbdc/article/view/281/274

Tomaz, C. A. S. (2005). O Décimo Segundo Camelo de Luhmann e o §3º, do Art. 5º, da Constituição Brasileira, acrescido pela Emenda Constitucional nº 45: inconstitucionalidade a partir de uma visão extradogmática do direito tendo como paradigma a alopoiese jurídica. Revista Brasileira de Direito Constitucional. (6), 178-200. Recuperado em http://www.esdc.com.br/seer/index.php/rbdc/article/view/281/274

Weber, S. S, Rocha, L. S. (2013). Direito e Sociedade em transição: respostas sociológicas para decisões judiciais autopoiéticas. Em J. A. O. Júnior, R. L. T. Mendes, M. L. Scaramella. Sociologia, Antropologia e Cultura Jurídica: Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Direito. Recuperado de http://www.publicadireito.com.br/publicacao/unicuritiba/livro.php?gt=142

Weyermüller, A. R. (2014). Água e adaptação ambiental: o pagamento pelo seu uso como instrumento econômico e jurídico de proteção. Curitiba: Juruá.

Cómo citar
Jung, P. E. N., & Rocha, L. S. (1). El Duodécimo Camello en el Poder Judicial: una análisis de la Teoría de los Sistemas Sociales Autopoyético. Revista De La Facultad De Derecho, (43), 37-53. https://doi.org/10.22187/rfd2017n2a3
Número
Sección
Doctrina